A infância dos pais. 8


Como nós passamos nossa infância sem computador, internet ou mil brinquedos eletrônicos? O que fazíamos no tempo que tínhamos livre? Que pra falar a verdade era bem mais tempo do que nossos filhos dispõe agora… inventávamos algo pra brincar! É certo que muitas vezes inventamos traquinagens. Por isso nossa geração quebrou o pé, o braço, levou pontos e achava o máximo assinar no gesso!

O que fazíamos em nosso tempo livre, já que não tinha escola integral? Nos relacionávamos!!! Brincávamos com a vizinhança! Jogamos bets, vôlei, amarelinha, pular corda, elástico, brincar de forca. Enfim, usávamos a criatividade! E como passamos, e como nos divertimos, e como aprendemos a frustração desde cedo porque queríamos coisas que nossos pais não podiam nos dar. E como sobrevivemos!

Brinquedos eram presentes de natal, aniversário ou dia das crianças, e muito mais humildes do que os de hoje!

Chocolates ou guloseimas? Na páscoa! Tudo tinha outro sabor, esperávamos com tanto fervor e alegria as datas festivas!

Não havia por parte de nossos pais um incentivo a nossa auto estima. Pelo contrário! Notas boas na escola jamais, digo jamais mesmo, foram motivo pra alguma recompensa. Lá em casa, era o mínimo que eu deveria fazer, minha mãe certamente ficava orgulhosa, mas eu sentia que era o mínimo que ela esperava de mim!

Hoje, nós, os pais, queremos agradar nossos filhos, os ver felizes sempre! A vaidade e talvez a expectativa que criamos, já não os permite serem fracos, sentir dor, tristeza, decepção. Acabamos por esquecer que não existe felicidade permanente, assim como tristeza também não!

Na moda do estarmos felizes sempre, ficamos cada vez mais imediatistas, talvez reflexo do mundo capitalista em que vivemos. Queremos pular etapa, avançar o processo para que o objetivo seja alcançado e com pressa! E no meio de tudo isso, esquecemos de dar valor as coisas como deveriam. São conquistas, pequenas ou grandes. São batalhas vencidas com dedicação e empenho. Sendo que, geralmente é na dor ou dificuldade que refletimos mais, prestamos atenção, crescemos, evoluímos, nos tornamos mais humildes, humanos.

E se nós que somos adultos, almejamos o imediatismo, o que dizer de nossas crianças, adolescentes? Somos o exemplo! É o que estamos ensinando.

O imediatismo também nos transporta ao mundo do faz de contas, onde estamos sempre esperando por algo futuro, talvez um pouco frustrados por não termos agora o que queremos. Esquecendo de viver e preservar o presente chamado hoje, que convenhamos, não à toa o chamamos de presente.

Sibele Lima


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 pensamentos em “A infância dos pais.

  • Juceliane

    Kkkkkk pura vdd belly ….mds cm era bom jogar bola ne embaixadinhas muitas risadas …a nossa ruazinha ne td td maravilhoso……sds daquela epoca ….eu sim posso verdadeiramente dizer que tive uma infancia maravilhosa …..adorei sua atitude linda parabens ?????? amo vc linda

    • Crescendo na natureza Autor do post

      Realmente nossa infância foi muito boa e feliz! Obrigada minha amiga, és muito importante pra nós! Mora em nosso coração! beijos

  • Silvane

    Como seria bom se as crianças de hoje pudessem viver um pouco mais o que vivemos naquela época! Acho que seria tão bom, me preocupa o futuro delas !Será que serão fortes como nós?

    • Crescendo na natureza Autor do post

      Exatamente, estamos tentando mostrar o outro lado da infância, um pouquinho do que foi a nossa. Tentar orientá-la, confiar e depois orar para que tenhamos feito um bom trabalho. Mas o futuro pertence as nossas crianças e
      às suas escolhas.

  • Maria Bayerl

    Sim, tudo a mais pura e sincera verdade.
    Estou muito feliz por vc compartilhar um pouco dá sua infância, pois fiz parte dela tbm é amava brincar de bets e outras brincadeiras.
    Minha filha tem treze anos mas não sabe o q é escalhar uma árvore de goiaba ou comer jabuticaba em em cima do pé nossa bons tempo as vezes ainda faço rsrsrs. Minha filha só olha torto tento puxar para aquela época de q brincar assim é melhor do q celular e jogos virtuais mas para isso temos q continuar a criança q fomos tbm. E tentar de tudo quanto é jeito q nossos filhos de desligarem dá vida de hj em dia e fazer e com q brincar seja mais saudável. ???
    Obg

    • Crescendo na natureza Autor do post

      Sim amiga, você fez parte da minha infância e faz parte da minha vida! Realmente as vezes é difícil “puxar” os jovens e crianças de hoje para atividades ao ar livre. É preciso paciência e insistência, né. É que todos os outros amigos estão conectados. Mas a medida que nós pais, formos mudando, talvez nossos filhos sigam nossos passos. Quando forem, seria interessante tentar convidar uma amiga pra ir também, é sempre mais divertido. Assim como era pra nós!

  • Juliane Daniele Tandler

    Sibele e Alessandro! Parabéns pelo blog.

    Fiquei muito feliz em ver como continua intenso o amor de vocês, e agora uma família completa!
    Tirei um tempinho para ler e acompanhar as belas palavras escritas com tanto amor pela minha amiga!
    Desejo apenas que continuem seguindo o caminho do bem com todo o amor dedicado em tudo que realizam!

    Muitas saudades!!

    • Crescendo na natureza Autor do post

      Querida amiga, suas palavras nos emocionam! Muito bom saber que mesmo com a distância tens profundo carinho por nós, podes ter certeza que é recíproco!
      Que bom que gostou do blog, realmente está sendo feito com amor!
      Saudades também, beijos!